• Campo - um podcast de antropologia

EP#1.3 - Michel Foucault

Atualizado: Fev 15


Crédito da Foto: Edna Castro. Michel Foucault e Benedito Nunes em Mosqueiro, no Pará, 1976. Disponível via https://revistacult.uol.com.br/home/benedito-nunes-o-mestre-que-ria/

Foucault no Norte e no Nordeste do Brasil


Paula Lacerda, professora de Antropologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Carolina Parreiras, pesquisadora de pós-doutorado do Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)


São conhecidas as visitas de Michel Foucault ao Brasil, em 1965 e na década de 70*. Algumas dessas visitas resultaram em publicações de suas conferências e reflexões, como a obra “As verdades e as formas jurídicas” – resultado das conferências realizadas na PUC-Rio, em maio de 1973 – e dois capítulos da “Microfísica do Poder”, intitulados “O Nascimento da Medicina Social” e “O Nascimento do Hospital” – duas das seis palestras ministradas na então Universidade do Estado da Guabanara, hoje, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, em 1974.


A visita a São Paulo, em 1975, pela repercussão e pelos efeitos políticos alcançados, talvez seja a mais conhecida. Em 27 de outubro de 1975, após o enterro do jornalista Vladimir Herzog, a Universidade de São Paulo, que sediava o filósofo francês, é palco de protestos que são considerados parte dos maiores atos contrários à ditadura no Brasil. Em apoio às manifestações, Michel Foucault interrompeu seus trabalhos na Universidade de São Paulo e o “caso Herzog” foi publicamente comentado pelo autor em viagens posteriores.


Menos conhecida, no entanto, foram as visitas de Foucault a Salvador, Recife e Belém, em 1976, justamente a sua derradeira visita ao Brasil. O artigo de Heliana de Barros Conde Rodrigues, professora de Psicologia da UERJ, é um dos poucos trabalhos dedicados a reunir informações e produzir análises sobre a visita de Foucault a cidades e instituições fora do eixo sudestino. É desse artigo, referenciado ao final do post, que retiramos as informações a seguir. Em Salvador, Foucault ministrou uma conferência na Universidade Federal da Bahia, mas a Folha de São Paulo, em artigo assinado, noticiou que “os motivos reais” da visita do filósofo à cidade “não eram conhecidos”. A curta nota termina com a insinuação que Foucault estaria na cidade em função de um “guapo rapaz” conhecido como Paulete. Em Recife, Foucault foi encontrado na praia de Boa Viagem, no sol das 11 horas da manhã, horário marcado para conceder uma entrevista à Revista Manchete. Foucault retornou ao hotel na companhia do jornalista, mas não concedeu a entrevista, por ter sido informado que o semanário era “reacionário”. Em Belém, Foucault foi recebido por Benedito Nunes, professor da Universidade Federal do Pará, que havia previamente “preparado” uma audiência de cerca de 60 pessoas sobre o pensamento do filósofo. A viagem seguiu sem grandes intercorrências, mas após a partida de Foucault, o professor que havia organizado o evento foi procurado pelo Serviço Nacional de Inteligência, órgão de espionagem dos governos militares, para que entregasse a lista de presença, com os nomes daqueles que compareceram à palestra. Diante a negativa do professor, o caso não teve maiores desdobramentos.


Tentamos localizar, nos acervos digitais de dois grandes periódicos fluminenses da época – Jornal do Brasil e O Globo – reportagens sobre a visita de Foucault ao Brasil, em 1974 e em 1976. Especificamente em relação às atividades conduzidas na Universidade do Estado da Guabanara, O Globo não noticiou. O Jornal do Brasil produziu uma pequena nota. Sobre a visita de 1976, a única referência é do Jornal do Brasil à conferência realizada em Salvador, na Universidade Federal da Bahia, através de uma pequena matéria intitulada “Filósofo Francês questiona liberdade sexual ressurgida a partir da última década” (Jornal do Brasil, 27/10/1976). Por outro lado, esses mesmos jornais publicaram extensas matérias nas ocasiões de lançamento das obras do autor. Dentre os jornais locais, das cidades que receberam o filósofo, apenas foi possível consultar o Diário de Pernambuco, que publicou minúsculos anúncios sobre as palestras a serem realizadas e nenhuma nota a posteriori, informando sobre o que tratou o palestrante em suas apresentações.


A julgar pela matéria da Folha de São Paulo, mencionada no texto da professora Heliana de Barros Conde Rodrigues, e o interesse da revista Manchete – um periódico nacional - em cobrir a estadia do autor em Recife, podemos nos questionar o quanto a presença de Foucault em espaços fora das universidades sudestinas, parecia ter algo de incompreensível, ou mesmo de suspeito. A homossexualidade do autor, e também sua proximidade a correntes anarquistas, consideradas subversivas, sem dúvida explicam esses fatos. Um dos únicos registros de Foucault no Pará, que é a imagem que acompanha esse post, foi produzida em Mosqueiro, um belíssimo balneário próximo à capital.


* Mailô Andrade, estudante de doutorado inscrita na disciplina Gênero, Estado e Processos de Subjetivação foi quem comentou sobre a estadia de Foucault no Pará. Não por acaso, também não sabíamos dessa informação e por isso resolvemos pesquisar e contribuir, ao mesmo tempo, para o maior conhecimento sobre essa última visita de Foucault ao Brasil e para a crítica à formação centrada em instituições/eventos/reconstruções a partir de universidades do Rio de Janeiro e de São Paulo, como a nossa.


Como citar esse post [ISO690/2010]:

LACERDA, P. e PARREIRAS, C. Foucault no Norte e no Nordeste do Brasil [online]. CAMPO - um podcast de antropologia, 2021 [visto em .....]. Disponível em: https://www.podcastdeantropologia.com.br/post/ep-1-3-michel-foucault


Referências:


CARIELO, Rafael. As viagens de Foucault ao Brasil. Folha de São Paulo, 25 de maio de 2011. Disponível via: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/918570-as-viagens-de-foucault-ao-brasil.shtml Acesso em 15 de dezembro de 2020.


FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1977.


FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade II: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1984.


FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade III: o cuidado de si. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1985.


FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes, 1987.


FOUCAULT, Michel. “O sujeito e o poder”. In.: RABINOW, P.; DREYFUS, H. Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, pp. 231-249.


FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo, Martins Fontes, 2002.


FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. São Paulo, Graal, 2012.


FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. São Paulo, Martins Fontes, 2008.


L’ABBATE, Solange. Ensaios sobre Michel Foucault no Brasil. Presença, Efeitos, Ressonâncias (resenha). Ciência & Saúde Coletiva, vol. 23, n. 11, nov. 2018. Pp. 4021-4022. Disponível via: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018001104021. Acesso em 15 de dezembro de 2020.


LIUDIVIK, Caio. Foucault no Brasil. Revista Cult. 16 de junho de 2014. Disponível via: https://revistacult.uol.com.br/home/foucault-no-brasil/ Acesso em 15 de dezembro de 2020.


ORTNER, Sherry. Teoria na Antropologia desde os anos 60. Mana, 17 (2), 2011. Pp. 419-466. Disponível via: https://www.scielo.br/pdf/mana/v17n2/a07v17n2.pdf Acesso em 15 de dezembro de 2020.


Créditos:

Pesquisa, produção e apresentação: Paula Lacerda


Acesse abaixo a transcrição deste episódio.


transcrição_Foucault
.pdf
PDF • 119KB

Posts recentes

Ver tudo